Ilustração 3D do logo do Photoshop em meio a um coral, no fundo do mar
Adobe/Reprodução

A Adobe gerou uma onda de indignação entre os usuários do Photoshop após atualizar os termos de serviço. Agora, a empresa exige o direito de acessar todo o conteúdo criado com o software, tanto por métodos automatizados quanto manuais. Ao fazer login em suas contas, os usuários se depararam com uma mensagem informando sobre os novos termos. Para continuar utilizando o Photoshop, é necessário aceitar que a Adobe possa acessar, visualizar ou escutar o conteúdo gerado no software. Essa medida foi recebida de forma negativa, especialmente por aqueles que trabalham com acordos de confidencialidade (NDA), onde a privacidade é essencial.

Os novos termos explicitam: “Podemos acessar seu conteúdo por métodos automatizados e manuais, como para revisão de conteúdo (Seções 2.2 e 4.1)”. Essa cláusula gerou uma onda de protestos nas redes sociais, com muitos usuários ameaçando cancelar suas assinaturas e buscar alternativas ao Photoshop.

A reação foi rápida e intensa. Diversos profissionais expressaram suas preocupações no X (antigo Twitter), destacando os riscos de privacidade e confidencialidade. Um usuário alertou: “Se você é um profissional sob NDA, como um criador de conteúdo, advogado, médico ou qualquer pessoa que trabalha com arquivos proprietários, é hora de cancelar a [sua conta] Adobe e deletar todos os seus aplicativos. Eles não são confiáveis”.

Sam Santala, fundador do Songhorn Studios, criticou a empresa no X: “Eu li isso corretamente, @Adobe? Eu não posso usar o Photoshop a menos que concorde em dar acesso total a qualquer coisa que eu crie, incluindo trabalhos sob NDA?”

Duncan Jones, diretor de cinema, também expressou sua insatisfação. “Que porcaria são esses novos termos de uso que vocês estão nos forçando a aceitar e bloqueando nosso acesso ao Photoshop até aceitarmos? Nós estamos trabalhando na p***a de um filme aqui”, disse. A postagem foi deletada mais tarde.

A exigência de aceitar os novos termos para continuar usando o software, ou até mesmo para desinstalá-lo, foi especialmente criticada. Muitos consideram a mudança um movimento de spyware, dando à Adobe controle irrestrito sobre o conteúdo dos usuários.

Os novos termos também indicam que a Adobe pode utilizar o conteúdo dos usuários para melhorar seus serviços e software, incluindo o uso de aprendizado de máquina. Isso levanta preocupações adicionais sobre a utilização e proteção dos dados dos usuários.