Logo do GitLab

O GitLab, plataforma onde programadores podem desenvolver projetos de forma colaborativa e compartilhar os códigos de seus trabalhos, anunciou o recebimento de US$ 100 milhões em investimentos. A soma deve ajudar na expansão das suas ferramentas e a consolidar sua força numa briga mais de igual para igual com o GitHub — que foi adquirido pela Microsoft por US$ 7,5 bilhões em junho.

Avaliada agora em US$ 1 bilhão, o GitLab também se torna a mais nova empresa unicórnio do ramo de gerenciamento de operações digitais, graças aos “benfeitores” desta rodada de investimentos, que incluem Iconiq Capital, Khosla Ventures e a Alphabet — dona do Google e que fez algumas ofertas de compra do GitHub antes da Microsoft.

Essa não é a primeira vez que o Google coloca dinheiro no GitLab. Em outubro de 2017, a companhia já havia injetado US$ 20 milhões através do Google Ventures, braço independente da gigante voltado para investimentos nas mais diversas áreas.

O temor de que a Microsoft, que nunca foi muito fã de modelos de desenvolvimento open source, “estrague” o GitHub pode ter feito a Alphabet investir de forma mais agressiva em concorrentes. O GitLab é o principal deles e viu a chegada de uma debandada de usuários da rival logo após o anúncio da compra.

“Às vezes você vê uma companhia começar em um modelo open source e então ser deturpada por seus colaboradores. Nós trabalhamos muito duro para garantir que isso não acontecerá”, disse Sid Sijbrandij, CEO da GitLab, em entrevista à Bloomberg.

Comentários desativados. Podemos conversar por e-mail.