Mão segurando celular com o site do google aberto
Imagem: Unsplash/solenfeyissa

O Google Bard, resposta do Google à inteligência artificial do Bing Chat, da Microsoft, e do ChatGPT, da OpenAI, foi lançado hoje, terça-feira (21), em uma fase de testes no site bard.google.com, onde você pode se inscrever na lista de espera para experimentar a ferramenta.

O lançamento cauteloso é o primeiro passo do Google na recente febre por chatbots impulsionada pela OpenAI e a Microsoft, e pretende demonstrar que a empresa é capaz de fornecer tecnologia similar. Mas o Google está adotando uma abordagem muito mais cautelosa do que seus concorrentes, que enfrentaram críticas por entregar uma tecnologia muitas vezes não confiável.

A postagem do blog do Google sobre o Bard o chama de “um experimento inicial”. No site da ferramenta, há um rótulo brilhante azul onde se lê “Experimento” ao lado da marca, e a postagem do blog avisa: “Grandes modelos de linguagem nem sempre acertam. O feedback de uma ampla variedade de especialistas e usuários ajudará o Bard a melhorar”. Ainda há uma advertência no final da página que diz: “O Bard pode exibir informações imprecisas ou ofensivas que não representam as opiniões do Google”.

A Microsoft tem sido criticada por adotar uma postura muito agressiva em relação ao lançamento de seus produtos de inteligência artificial, inclusive passando por cima do seu departamento de ética. O Google está tentando se apresentar como mais cauteloso, dizendo: “Nosso trabalho no Bard é guiado pelos nossos Princípios de IA, e continuamos a nos concentrar na qualidade e segurança”.

Ainda assim, o lançamento representa um passo significativo para evitar uma ameaça ao negócio mais lucrativo do Google, seu mecanismo de busca. Muitos na indústria de tecnologia acreditam que o Google, mais do que qualquer outra grande empresa de tecnologia, tem muito a perder e a ganhar com a inteligência artificial — mas também poderia ajudar outras empresas concorrentes a diminuir a fatia que o Google tem no mercado de buscadores. Um chatbot pode produzir respostas instantâneas em frases completas que não obrigam os usuários a rolar por uma longa página de resultados de busca quem nem sempre são o que estão procurando.

Desde dezembro, o Google tem corrido para lançar produtos de inteligência artificial. Em resposta ao lançamento do ChatGPT, a empresa declarou “estado de emergência” e tornou a IA sua prioridade, mobilizando equipes internas a colaborar entre si e acelerar a aprovação de uma onda de novos produtos.

Especialistas do setor se perguntam quão rápido o Google pode desenvolver novas tecnologias de IA, especialmente considerando o ritmo acelerado no qual OpenAI e Microsoft tem lançado seus novos produtos.

Gif mostrando como o Google Bard funciona

Imagem: Google/Reprodução

O Google diz que o Bard pode “aumentar sua produtividade, acelerar suas ideias e alimentar sua curiosidade.” Entre alguns dos exemplos citados pela empresa, você pode pedir ao Bard para dar dicas de “como de ler mais livros este ano, explicar física quântica em termos simples ou estimular sua criatividade”. No entanto, a empresa adverte que o Bard “ainda não pode ajudar a programar” e que a “capacidade do aplicativo de manter o contexto é limitada propositadamente, por enquanto”.

Como o Bard funciona

Assim como o Bing Chat, da Microsoft, e o ChatGPT, da OpenAI, são alimentados pelo modelo de linguagem GPT-4, o Bard é construído com base em uma versão do Modelo de Linguagem para Aplicações de Diálogo (LaMDA, na sigla em Inglês). Para tornar o Bard mais humano e menos robótico que os concorrentes, há variabilidades incluídas. Dessa forma, ele não completa respostas com as mesmas palavras repetidamente, mesmo que isso fizesse mais sentido do ponto de vista do algoritmo.

Assim como no ChatGPT, você pode perguntar ao Bard qualquer coisa que desejar e receber uma resposta ponderada retirada de um vasto banco de informações. O Google admite que o Bard não oferece respostas perfeitas, mas diz que quanto mais pessoas usarem, melhor ele ficará.

Para tornar as respostas mais úteis, o Bard frequentemente oferece várias versões de qualquer resposta, para que você possa manobrar a direção da conversa. Você pode continuar perguntando ao Bard questões relacionadas à pergunta anterior, e o chatbot responderá da mesma forma. Se você não gosta de uma resposta ou acha que ela é imprecisa, pode pedir ao Bard para tentar novamente. Sempre que desejar explorar uma resposta específica em maior detalhe ou verificar as fontes para essa resposta, você pode clicar em um botão ao lado da resposta para realizar uma busca no Google.

Gif mostrando como o Google Bard funciona

Imagem: Google/Reprodução

Após alguns problemas de personalidade com outros chatbots, o Google implementou algumas barreiras técnicas, como limitar o número de interações em cada chat. Provavelmente, para evitar a situação na qual a Microsoft se encontrou com Sydney, a personalidade do chatbot do Bing, que poderia ser facilmente assediar o usuário final, se provocada.

Como testar o Bard?

Se você ficou a fim de experimentar o Bard, pode se inscrever na lista de espera do Google através do site bard.google.com. Por enquanto, a fase de teste pública está disponível apenas para usuários dos Estados Unidos e do Reino Unido, em Inglês americano, mas o Google diz que oferecerá suporte a mais países e idiomas com o passar do tempo.